Maria da Fé

Maria da Fé, nasceu no Porto a 25 de Maio, da década de 40.

Aos 9 anos começa a cantar em festas particulares, notando-se desde logo o seu talento para o fado. Ganha todos os concursos em que participa.

No Porto faz diversos espectáculos, teatro, revista, e várias digressões, pelo país ao lado de Amália Rodrigues.

Aos 18 anos vem definitivamente para Lisboa, onde começa por ser contratada para encabeçar o elenco das melhores casas de fado da época e do Casino do Estoril.

Grava o seu primeiro disco em 1959 / 60, alcançando desde esse momento um lugar destacável na discografia nacional.

No ano de 1963 / 64, lança o Pop Fado, experiência onde a crítica dos tradicionalistas lhe valem alguns dissabores, mas em compensação a sua imagem foi figura de primeira página em todos os grandes jornais da época.

Em 1967, tem o seu 1º. grande sucesso “Valeu a Pena”. Nesse mesmo ano, mais um sucesso “Primeiro Amor”, “20 Anos”.

Em 1969 (pela primeira vez na história do Festival da Canção), é convidada uma fadista por Braga Santos e Francisco Nicholson, para defender a canção “Vento do Norte”. Da sua discografia conta com 30 Lp’s e 20 Cd’s.

A sua voz é presença em todas as colectâneas de Fado. Do álbum “Cantarei até que a Voz me Doa”, já vendeu mais de 350 mil unidades.

Em 1975, funda com seu marido e António Mello Correa, o Restaurante Sr. Vinho, que hoje é o Restaurante Típico mais prestigiado e procurado de Lisboa. Ao longo da sua carreira tem recebido os mais variados prémios quer da crítica, quer da Imprensa, assim como a Cruz de Mérito da Cruz Vermelha Portuguesa, Medalha de Ouro da Cidade do Porto.

Ao longo dos seus 40 anos de carreira, Maria da Fé é sem sombra de dúvida uma das melhores intérpretes do fado e uma daquelas que melhor o tem sabido divulgar e defender.